Profissionalismo no eSports: Os jogadores

Jogadores recebendo premiação
Jogadores no prêmio de melhores do ano de League of Legends.
Eles treinam por muitas horas diárias (excedendo até mesmo a rotina de oito horas diárias de uma pessoa normal), assistem análises, replays, acompanham os campeonatos internacionais, moram longe da família e amigos. Tudo isso para se dedicar ao jogo e ser de fato um profissional. Há quem diga que trabalhar com o que gosta é fácil, mas não, a rotina é pesada, e nem tudo é diversão. Existe também a responsabilidade de representar uma organização, ou de agradar seu público. A cobrança é mais do que você espera tanto por parte de diretores e treinadores, como a ‘auto-cobrança’ que, todo jogador faz de si mesmo.
Jogadores recebendo premiação
Jogadores no prêmio de melhores do ano de League of Legends.
Os jogadores são claramente a peça chave do esporte eletrônico, sem eles não teríamos jogos ou equipes. Por isto, eles sabem e reconhecem o meio em que estão lidando, onde todos esperam o melhor dele. Mas e depois, quando não obterem o desempenho esperado, quando tudo estiver acabado? Quando enfim chegar a aposentadoria dos teclados.
O futuro fora dos jogos, ou seja pós aposentadoria,  pode se tornar um grande problema , afinal não há espaço para pensar em estudos e/ou outro trabalho enquanto está jogando em nível profissional. A aposentadoria embora com uma idade mediana (entre os 25-30 anos), já é complicado, serão mais 4-5 anos num ensino superior, para estar apto a atuar em outro mercado, de certa forma é um empecilho bem grande. O esporte eletrônico hoje, caminha para um reconhecimento profissional ainda maior, mas enquanto isso, esse problema é algo a ser pensado e trabalhado pelos jogadores. Uma saída encontrada é continuar no ramo, atuando em outra área sem ser jogando -treinadores, analistas, cargos de administração ou casters.
É o caso do Treinador do Flamengo eSports, Gabriel Souza conhecido por todos como Mit. Ele que já jogou pela Cyber Games e paiN, hoje enfrenta o desafio de estar a frente desse clube gigante que é o Flamengo. Ele já havia, também passado pela paiN Gaming como treinador, e após sua saída, foi procurar formas de se especializar ainda mais nessa função. O time que ele montou, conta com jogadores que ele já trabalhou antigamente, como Thúlio Carlos (SirT) e Felipe Gonçalves (brTT), sendo isso, um fator favorável para o desenvolvimento do seu trabalho, já que, ele conhece o potencial individual destes jogadores, sabendo como explorá-los e melhorá-los.
Mit, Atual Treinador do Flamengo e-Sports
Além disso, a imagem que os jogadores passam enquanto ativos é super importante. A ‘fã-base’ que eles acumulam tem impacto muito grande, e caso eles decidam por continuar no ramo com certeza terão o apoio da comunidade. A aposta de muitos é ir para o Entretenimento, criar conteúdo para o Youtube e fazer streams, tanto que mesmo já como jogador profissional, alguns dedicam seu tempo livre para conversar com seus fans em uma stream, criando um vínculo, que mesmo depois de aposentados, eles continuarão sendo assistidos.
É o caso também de Gabriel Bohm, o Kami. Melhor jogador de League of Legends no Brasil em 2015, durante sua vida profissional fazia streams sempre que podia, e tinha planos de expansão para o Youtube. Ele dizia que tinha interesse em continuar atuando no eSports algum dia de alguma maneira. Hoje, em sua pausa na carreira após mais de cinco anos como jogador profissional, ele dedica seu tempo para os fãs, ainda empregado na organização paiN Gaming, ele frequenta eventos por todo o Brasil cativando milhares de fãs, além de suas frequentes Streams e vídeos para o Youtube que produz. Kami, também virou escritor, ele conta um pouco de sua vida e carreira nos esportes eletrônicos no livro: Lendário: Os Bastidores e A Rotina de um Jogador Profissional de Games.
O jogador continua no segmento de e-Sports após pausa na carreira
Kami
Existem aqueles jogadores mais empreendedores, que já possuem suas empresas e usam sua imagem para conseguir novos clientes. Podemos citar aqui a REXPEITA do brTT , a NTC do fnx, a SEHLOIRO do Yoda e outras. São empresas de sucesso e que tem um público alvo das pessoas que acompanham e admiram os jogadores que promovem a marca, usando o poder do público apaixonado por cada ação desta figura pública.
Se o jogador consegue manter uma boa imagem, não só atrai fans, como também o interesse de grandes empresas que têm como público pessoas que gostam de jogos, patrocínios individuais são mais uma fonte de renda para jogadores profissionais, além de eventos que acontecem por todo Brasil, que esperam a presença do jogador. Nvidia, Razer são só alguns dos exemplos de empresas que investem na imagem dos jogadores profissionais para divulgar seus produtos.
Marcelo Almeida (mha), é empresário e CEO do TEAM INNOVA, ressalta a importância da conduta profissional e o zelar pela sua imagem. O contato seja por Twitter, Facebook, Youtube, Twitch ou quaisquer outros métodos de comunicação com fãs são super importantes para o jogador.
Existem também aqueles exemplos que se opõem ao sucesso na construção de uma carreira nos Esportes Eletrônicos: brigas públicas com torcedores, especialistas e outros jogadores, são fatores atenuantes para a dificuldade eminente em se manter no meio . O caso mais recente é o de kNg, que foi dispensado da 100 Thieves sem ao menos ter estreado pela equipe, após discussão com o comentarista Thorin. E não é a primeira polêmica que ele se envolve, já havia deixado a Immortals por problemas. Com certeza, mesmo sendo um jogador de habilidade inegável, enfrentará problemas para encontrar um novo clube.
Jogador se envolveu novamente em polêmica
kNg
Manter boa imagem e interação é a chave do sucesso, mas nem todos conseguem.
Viver de eSports hoje, é algo a se pensar e refletir. Será que viver sobre pressão vale a pena para isto? Criar seu futuro enquanto vive disto é fundamental, pois não sabemos o dia de amanhã e as mudanças no esporte eletrônico são muitas vezes de uma hora para outra, e assim como o mercado de trabalho convencional, não podemos parar. Devemos sempre estar nos reciclando e aprendendo novas formas para manter-se no topo.