Provedor de internet dissemina malware
28 de Junho de 2024

A KT Corporation, gigante no setor de telecomunicações na Coreia do Sul, está sendo acusada de disseminar um malware em mais de 600 mil computadores de usuários que utilizam o compartilhamento de arquivos via torrent, numa tentativa de diminuir o fluxo de dados em sua rede.

Segundo relatos do jornal coreano JTBC, o escândalo veio à tona em maio de 2020, após a Webhard, uma conhecida plataforma de cloud services sul-coreana, registrar um aumento significativo de reclamações de usuários sobre falhas em seus sistemas.

A investigação revelou que o Grid, um aplicativo de compartilhamento de arquivos que utiliza a tecnologia BitTorrent, estava infectado por um malware, resultando na inoperância do serviço de compartilhamento.

A Webhard observou que os usuários afetados estavam, sem exceção, conectados pela rede da KT.

O volume de reclamações foi tão alto que o caso despertou a atenção das autoridades policiais.

Apurações mais aprofundadas indicaram que o malware originou-se de um data center da KT em Seul, e envolvia a participação de pelo menos 13 indivíduos, incluindo colaboradores e terceirizados da companhia.

Pressionada, a KT admitiu ter implementado o malware nos dispositivos dos usuários do Grid, justificando que havia necessidade de controlar o que denominou como a natureza maliciosa do software da Webhard.

Em outro embate, no ano de 2020, a KT enfrentou acusações judiciais por parte da Webhard por realizar traffic shaping, defendendo-se com o argumento de que os serviços peer-to-peer sobrecarregavam sua rede.

Entretanto, a Webhard contra-argumentou dizendo que esses serviços lhe proporcionavam economia nos custos de armazenamento de dados.

A corte coreana decidiu a favor da KT, entendendo que a Webhard não havia pago pelas tarifas de uso da rede, e, portanto, o traffic shaping não foi considerado abusivo.

Contudo, essa recente controvérsia tende a ser mais desafiadora para a KT, visto que a infecção por malware não apenas interrompeu o serviço da Webhard, mas também causou danos significativos aos computadores dos usuários.

Como salientado pelo The Register, “distribuir malware e deletar arquivos dos usuários são condutas inaceitáveis, pois levantam sérias questões éticas relacionadas à privacidade e ao consentimento”.

É importante lembrar que possivelmente mais de 600 mil computadores foram infectados por este malware.

Publicidade

Hardware Hacking

Aprenda a criar dispositivos incríveis com o especialista Júlio Della Flora. Tenha acesso a aulas prática que te ensinarão o que há de mais moderno em gadgets de hacking e pentest. Se prepare para o mercado de pentest físico e de sistemas embarcados através da certificação SYH2. Saiba mais...