Nigeriano recebe 10 anos por lavagem de milhões roubados de idosos
10 de Janeiro de 2024

O nigeriano Olugbenga Lawal (também conhecido como Razak Aolugbengela) foi condenado na segunda-feira a 10 anos e um mês de prisão por conspirar para lavar milhões roubados de vítimas idosas em esquemas de fraude na internet.

Fraude contra idosos (uma forma de exploração financeira de adultos com 60 anos ou mais) abrange cenários onde seus ativos financeiros, economias, renda ou dados de identificação pessoal são indevidamente utilizados ou roubados, frequentemente sem o seu consentimento expresso ou conhecimento.

Os perpetradores comumente empregam táticas enganosas para enganar suas vítimas, assumindo falsas identidades como funcionários do governo, fingindo envolvimento romântico ou se passando por investidores, tudo numa tentativa de enganar e fraudar suas vítimas idosas.

A FBI informou no ano passado que, somente em 2022, idosos americanos registraram 88.262 queixas em seu Centro de Reclamações de Crimes na Internet, com uma perda acumulada chegando a cerca de $3,1 bilhões.

Isso representou uma alta de 84% em perdas em comparação com os números relatados em 2021, com cada vítima sofrendo perdas médias superiores a $35.000 e mais de 5.000 vítimas tendo perdas superiores a $100.000.

Lawal trabalhou diretamente com o líder Nigéria do grupo de crime organizado Black Axe da Nigéria, uma das maiores e mais perigosas organizações criminosas do mundo, da qual ele também era membro.

De acordo com o comunicado de imprensa do Departamento de Justiça, a organização criminosa frequentemente mirava em indivíduos idosos que quase sempre acreditavam ter desenvolvido relacionamentos românticos com indivíduos que encontravam online.

No entanto, os golpistas enganam as vítimas para que transfiram grandes somas de dinheiro sob diversos pretextos, muitas vezes resultando na perda de todas as suas economias.

Junto com seus co-conspiradores Rita Assane, Dwight Baines e Michael Hermann, ele lavou milhões de dólares roubados em golpes de comprometimento de e-mail de negócios e romances entre janeiro de 2019 e junho de 2020.

"A importância do réu na organização criminosa é demonstrada pelo fato de que ele recebia dinheiro diretamente das vítimas defraudadas, bem como de membros de menor grau da organização criminosa", lê-se nos documentos do tribunal.

"Acredita-se que, como membro de maior ranking da organização, o réu recebia uma 'porcentagem' dos lucros fraudulentamente obtidos e, após retirar essa 'porcentagem', ajudava a lavar os lucros e repatriar os fundos para a África Ocidental, em grande parte comprando carros com os lucros fraudulentos e enviando-os para o exterior para outros membros da organização criminosa."

A INTERPOL também prendeu mais de 70 suspeitos acreditados serem membros do grupo de crime internacional Black Axe em outubro de 2022, com dois deles ligados a $1,8 milhão em fraude financeira.

No total, Lawal supervisionou depósitos totalizando mais de $3,6 milhões em várias contas bancárias que ele controlava.

Os fundos roubados foram divididos entre sete contas bancárias distintas, seja no nome de Lawal ou sob sua entidade empresarial, Luxe Logistics LLC.

Durante suas atividades de lavagem de dinheiro, Lawal gerenciou contas em cinco instituições financeiras nos Estados Unidos.

"A evidência também mostrou que entre maio de 2019 e julho de 2020, o réu abriu nove contas bancárias nesses nomes, cada uma das quais foi encerrada dentro de três a seis meses", segundo documentos do tribunal.

"Além disso, Lawal desempenhou um papel na lavagem de dinheiro para a organização criminosa, convertendo os dólares de fraude depositados em suas contas em moeda nigeriana acessível na Nigéria", disse o Departamento de Justiça.

"Ele se envolveu em transações de importação/exportação envolvendo o envio de carros para a Nigéria e transações comerciais de câmbio para facilitar a repatriação dos lucros da fraude da organização de volta para a Nigéria."

A sentença foi proferida após um júri federal ter condenado Lawal por conspiração para cometer lavagem de dinheiro em 10 de agosto de 2023.

Antes disso, seus três co-conspiradores (Hermann, Assane e Baines) também se declararam culpados de conspiração para cometer lavagem de dinheiro.

Além de sua pena de dez anos e um mês de prisão, o tribunal também determinou que Lawal pague mais de $1,46 milhões em restituição.

Publicidade

Cuidado com o deauth, a tropa do SYWP vai te pegar

A primeira certificação prática brasileira de wireless hacking veio para mudar o ensino na técnica no país, apresentando labs práticos e uma certificação hands-on.
Todas as técnicas de pentest wi-fi reunidos em um curso didático e definitivo. Saiba mais...