Carros elétricos não funcionam como espiões na China, assegura Tesla
16 de Agosto de 2023

A crescente tensão entre os Estados Unidos e a China também está afetando as empresas que operam nestes países.

Uma delas é a Tesla.

A fabricante de veículos elétricos foi acusada de usar a tecnologia presente nos carros para espionar os chineses, algo que a empresa de Elon Musk nega.

A Tesla lançou versões mais econômicas do Model X e do novo Modelo 3 está entrando em produção na China, de acordo com um jornal local.

Elon Musk afirma que a direção autônoma da Tesla está quase pronta.

Veja o que ainda falta.

Recentemente, o governo chinês aprovou uma nova legislação antiespionagem.

A decisão é uma resposta aos Estados Unidos, que vêm impondo uma série de novas sanções contra Pequim.

Segundo as autoridades chinesas, as novas regras visam aumentar a segurança nacional.

Mas essa preocupação também tem afetado empresas americanas de vários setores que operam no território chinês.

No último fim de semana, a mídia local informou que um aeroporto de uma cidade no sul da China proibiu os veículos da Tesla de estacionar perto do local devido a "preocupações com a confidencialidade".

Um funcionário do aeroporto disse à imprensa que "muitos lugares têm uma regra semelhante".

A medida foi tomada devido a preocupações com o modo sentinela presente nos veículos da Tesla, segundo informações da TechCrunch.

O recurso, que utiliza câmeras externas de um carro para detectar atividades suspeitas quando o veículo é deixado sem supervisão, é projetado para proteger contra arrombamentos e roubos.

Em resposta, a empresa de Elon Musk disse que os dados gerados "são armazenados offline, apenas no dispositivo USB dentro do carro" e que, ao contrário de algumas outras marcas, "nem o proprietário nem a Tesla" podem visualizar remotamente os arredores do veículo online.

Em maio de 2021, alguns locais governamentais na China também proibiram a entrada de veículos elétricos.

Como resultado, a Tesla estabeleceu um centro de localização de dados em conformidade com as medidas de proteção de dados automotivos da China.

A diretriz, que visa "proteger a privacidade dos motoristas e salvaguardar a segurança nacional", exige que "dados vitais" sejam armazenados em território chinês se "envolverem informações militares, governamentais, de tráfego e logística da China, além de redes de carregamento de veículos elétricos".

No futuro, o problema pode se repetir.

Isso porque a empresa deverá ativar nos próximos meses o Full Self-Driving para usuários chineses.

A funcionalidade de condução avançada depende da inteligência artificial, mas irá confrontar a proibição do uso de dados por empresas estrangeiras.

Publicidade

Cuidado com o deauth, a tropa do SYWP vai te pegar

A primeira certificação prática brasileira de wireless hacking veio para mudar o ensino na técnica no país, apresentando labs práticos e uma certificação hands-on.
Todas as técnicas de pentest wi-fi reunidos em um curso didático e definitivo. Saiba mais...