Acusado de atacar STJ e banco BRB com ransomware é condenado a 10 anos de prisão
20 de Fevereiro de 2024

Um dos réus acusados de atacar o Banco de Brasília (BRB) com um ransomware foi condenado a 10 anos de prisão.

A decisão foi tomada pela 3ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

Os ataques ocorreram entre setembro e outubro de 2022.

"A condenação é de grande importância no combate a crimes cibernéticos, pois demonstra a capacidade do estado de responder adequadamente mesmo aos crimes cometidos com alta tecnologia, protegendo os direitos jurídicos das vítimas de crimes cibernéticos", destacou o Ministério Público.

O réu acusado de atacar o BRB foi condenado a 10 anos de prisão, mas está foragido.

No crime, o Banco de Brasília teve os seus sistemas sequestrados pelo grupo criminoso Crydat.

A instituição precisava pagar 50 Bitcoins (BTC), equivalentes a R$ 5,2 milhões na época, para recuperar os dados sem qualquer vazamento.

O ransomware utilizado foi o LockBit, um dos malwares mais usados nesse tipo de crime.

Na prática, a ferramenta funciona como um sequestrador virtual, criptografando arquivos em troca de pagamento em criptomoedas.

Confira: Entenda o que é ransomware: o malware que sequestra computadores.

Como resultado, os sistemas do BRB sofreram com grande instabilidade naquele dia.

O banco emitiu um comunicado nas redes sociais.

O condenado está foragido.

De acordo com o Ministério Público do Distrito Federal, o réu condenado está em fuga.

O segundo envolvido no ataque confessou o crime e fez um acordo de delação premiada, agora colaborando com o NCYBER (Núcleo Especial de Combate aos Crimes Cibernéticos).

Publicidade

Curso gratuito de Python

O curso Python Básico da Solyd oferece uma rápida aproximação à linguagem Python com diversos projetos práticos. Indo do zero absoluto até a construção de suas primeiras ferramentas. Tenha também suporte e certificado gratuitos. Saiba mais...