A sentença do acusado de vazar dados do Pentágono pode ser anunciada hoje
4 de Março de 2024

Jack Teixeira, membro da Guarda Nacional Aérea de Massachusetts acusado de vazar documentos militares altamente confidenciais do Pentágono em uma plataforma de mídia social, pode ser declarado culpado, conforme documentos judiciais apresentados na quinta-feira, 29 de fevereiro.

A audiência foi marcada para hoje, dia 4, no tribunal federal de Boston.

Teixeira, que se diz inocente das seis acusações envolvendo a manutenção e transmissão intencional de informações de defesa nacional, poderá cumprir uma longa pena de prisão, se condenado.

Neto de portugueses açorianos, Teixeira, de 22 anos, é da pequena cidade de Dighton, no sul de Massachusetts, EUA.

Ele se alistou na Guarda Nacional da Força Aérea em setembro de 2019.

De acordo com documentos judiciais que citam registros governamentais, ele alcançou a patente de aviador de primeira classe - a terceira mais baixa para o pessoal alistado na Força Aérea - em maio de 2022.

Ele está preso desde a sua prisão em abril, em relação a um vazamento que deixou o governo Biden lutando para avaliar e conter o dano entre a comunidade internacional, garantindo aos aliados que seus segredos estão protegidos com os EUA.

Teixeira foi acusado de compartilhar documentos militares confidenciais sobre a guerra da Rússia na Ucrânia e outros assuntos sensíveis de segurança nacional no Discord, uma plataforma de mídia social popular entre aqueles que jogam online.

Os investigadores acreditam que ele liderou um grupo privado de chat chamado Thug Shaker Central, onde entusiastas compartilhavam piadas, falavam sobre seus tipos de armas favoritas e discutiam guerras, incluindo a invasão da Ucrânia pela Rússia.

As autoridades afirmaram que o compartilhamento de documentos militares confidenciais por Teixeira foi detectado em 6 de abril, dia em que o The New York Times publicou pela primeira vez um artigo sobre a violação dos documentos, ao procurar a palavra "vazamento" em um sistema confidencial.

O FBI acredita que isso é motivo para acreditar que ele estava tentando obter informações sobre a investigação dos responsáveis pelo vazamento.

Os promotores pediram ao juiz que mantivesse Teixeira preso durante o andamento do caso, em parte por causa do arsenal de armas encontradas em sua casa e devido ao seu histórico de declarações perturbadoras online.

Isso incluiu uma postagem em mídias sociais dizendo que, se pudesse, gostaria de matar várias pessoas, pois isso estaria "selecionando os fracos de mente".

A juíza distrital dos EUA, Indira Talwani, negou no ano passado o pedido de liberdade de Teixeira, alegando que "nenhum conjunto de condições de libertação garantiria de maneira razoável a segurança da comunidade ou impede a destruição de provas".

Pressionando para que seu cliente fosse libertado, os advogados de Teixeira citaram o caso do ex-presidente Donald Trump, que manteve documentos confidenciais de alta relevância em sua mansão em Mar-a-Lago, em Palm Beach, na Flórida.

Os advogados de Teixeira observaram que os procuradores não buscaram prender Trump - ou seu co-réu, Walt Nauta - embora afirmassem que o ex-presidente e seu ajudante "possuem meios extraordinários para fugir dos Estados Unidos".

Publicidade

Aprenda hacking e pentest na prática com esse curso gratuito

Passe por todas as principais fases de um pentest, utilizando cenários, domínios e técnicas reais utilizados no dia a dia de um hacker ético. Conte ainda com certificado e suporte, tudo 100% gratuito. Saiba mais...