A preocupação das empresas no Brasil está relacionada às brechas de segurança e negligência dos funcionários
29 de Março de 2023

Um dos maiores desafios para as corporações em todo o mundo atualmente é o vazamento de dados.

Quando se trata de exposições desse tipo, dois fatores principais caminham juntos e concentram as preocupações dos executivos: a dificuldade em corrigir falhas de segurança nos sistemas e a possível negligência dos funcionários.

Esses fatores são os que mais assustam as empresas brasileiras.

Essas conclusões foram apresentadas em um relatório da empresa de cibersegurança Kaspersky, que colocou a exposição de informações como o principal risco corporativo da atualidade.

Segundo o estudo, 50% das empresas, desde grandes organizações até PMEs, indicam que mitigar esses riscos e impedir vazamentos são os aspectos mais desafiadores da proteção digital atualmente.

Dessa percepção decorrem duas outras conclusões.

Para 27,5% dos entrevistados, o maior desafio é lidar com ciberataques que exploram brechas de segurança conhecidas, enquanto a preocupação com a negligência de funcionários aparece em segundo lugar.

Esse aspecto registrou 20,6% das respostas, acima de outros fatores importantes como a identificação de portas abertas nos próprios sistemas ou incidentes na nuvem de terceiros, com 18,1% e 15,6% das respostas.

Como forma de mitigar os riscos, muitas organizações já estão adotando diferentes medidas.

Enquanto a preocupação com os custos envolvidos em uma operação de segurança inadequada aparece como preocupação para 43,1%, um número próximo, 36,2%, já pensa no outro lado, nas perdas de produtividade e danos à marca em caso de um ataque que interrompa as operações.

Esse aspecto também demonstra, para a Kaspersky, certo descompasso entre o conhecido dos ataques e o estrago que eles são capazes de realizar.

“É um erro pensar que esses [golpes] são supercomplexos; na verdade, eles começam com um e-mail falso, anexo malicioso ou senha fraca. A única diferença é a publicidade que os grupos de ransomware estão usando para forçar as organizações a aceitar a extorsão”, explica Roberto Rebouças, gerente-executivo da Kaspersky no Brasil.

Porém, tal temor também levou a um aumento na busca por clareza do ponto de vista da segurança.

Para 96,3% dos entrevistados, a falta de transparência é um motivo que define se a empresa vai fazer ou não negócios com um fornecedor, enquanto 85% das organizações do território já possuem políticas desse tipo.

Para 91,9% das companhias, ainda, há disponibilidade de investimento para ampliar tais programas no futuro próximo.

A aprovação de legislações regionais alavanca esse processo.

“No Brasil, temos um facilitador que é a Lei Geral de Proteção de Dados, que exige esse cuidado com as informações coletadas, armazenadas e processadas”, avalia Rebouças.

Ele, entretanto, aponta outro motivo para o aumento da preocupação com esse aspecto: “Pela experiência recente, vimos que o impacto na reputação das marcas que viraram notícias nos últimos dois anos foi o real motivador dessa tendência.”

Publicidade

Hardware Hacking

Aprenda a criar dispositivos incríveis com o especialista Júlio Della Flora. Tenha acesso a aulas prática que te ensinarão o que há de mais moderno em gadgets de hacking e pentest. Se prepare para o mercado de pentest físico e de sistemas embarcados através da certificação SYH2. Saiba mais...