A Meta não vai remover perfis falsos no Instagram que estão claramente enganando pessoas
22 de Janeiro de 2024

Impostores e golpistas de romances que abusam das redes sociais para enganar as pessoas já não é propriamente uma novidade.

O problema parece ter piorado bastante no Instagram no último ano, com sua empresa mãe, a Meta, não conseguindo combater de maneira eficaz os perfis falsos, mesmo quando há sinais suficientes para indicar que um perfil está usando indevidamente as fotos e a identidade de outra pessoa.

Em nossa investigação, o BleepingComputer observou casos em que a denúncia de perfis falsos que se passavam por uma personalidade da internet ou uma figura pública resultou em tais relatórios serem descartados após serem processados, pelo menos em parte, através do que parecia ser um sistema automatizado de tomada de decisão.

Ficamos ainda mais surpresos ao saber que, mesmo após recorrer da decisão, o resultado permaneceu e os perfis falsos em questão ainda não foram removidos da plataforma.

No início desta semana, enquanto navegava casualmente pelo meu feed do Instagram, me deparei com uma história apresentando um vídeo selfie de um belo cavalheiro malhando na academia, ao qual reagi instintivamente.

Seguiu-se uma conversa.

Este cavalheiro, chamado "Santiago Scott", que estava na minha lista de seguidores, me disse que ele é do Brasil, mora na Espanha e está procurando algo significativo.

Antes que a conversa pudesse se aprofundar, minha mente cética, mas curiosa, me levou a procurar o charmoso "Santiago Scott", o homem por trás do perfil @91.santiagoscott, na internet.

Apesar do nome não ter resultado em nada de interessante, uma rápida busca reversa no Google Lens me levou a uma conta no Twitter de Thiago Qualhato, e um perfil autêntico do Instagram com quase 18.000 seguidores.

Descobriu-se que Thiago, o verdadeiro homem por trás das fotos, mora no Brasil, se comunica principalmente em português - não em inglês, e, de acordo com seu perfil publicamente visível no Instagram, entrou para a plataforma em 2013.

Compare isso com a conta "Santiago Scott", criada em 2022, restrita ao público, cujo nome de usuário foi alterado pelo menos sete vezes.

Além disso, todas as fotos ou reels no perfil de "Santiago Scott" foram postadas apenas alguns dias após a postagem original de Thiago - um forte indicativo de catfishing.

É realisticamente possível que uma pessoa crie dois perfis por uma série de razões, como para isolar sua presença em mídias sociais pessoais de uma profissional.

Para ter certeza, enviei uma mensagem para o Thiago.

Previsivelmente, Thiago me respondeu, "Denuncie para mim. Por favor. Ele me bloqueou."

Sem perder tempo, imediatamente denunciei @91.santiagoscott ao Instagram, indicando corretamente que a conta estava se passando por @thiago_qualhato no formulário de denúncia.

Poucos minutos depois, recebi uma resposta.

O Instagram decidiu não remover a conta falsa após uma revisão que parece ter sido facilitada, pelo menos em parte, por "tecnologia", considerando o tempo de resposta relativamente rápido.

"Usamos uma combinação de tecnologia e revisores humanos para processar relatórios e identificar conteúdo que infringe nossas Diretrizes da Comunidade.

Neste caso, não removemos o conteúdo que você denunciou," dizia a resposta.

Mesmo após recorrer da decisão e solicitar uma nova revisão (provavelmente de um humano), a decisão permaneceu.

O BleepingComputer entrou em contato com a equipe de comunicação da Meta com perguntas, mencionando esse caso com bastante antecedência à publicação, mas não obtivemos resposta.

Incidentes como esses são muito comuns no Instagram.

Impostores parecem particularmente visar perfis autênticos de personalidades públicas desejáveis, pessoal de serviços uniformizados (como soldados e policiais), influencers e criadores de conteúdo adulto.

Esses impostores, então, começam a "seguir" os seguidores da conta real, na esperança de serem seguidos de volta e se estabelecerem como confiáveis na plataforma, enquanto bloqueiam simultaneamente o perfil autêntico cujas fotos estão usando.

Isso corta a possibilidade de contato com e ser visto pelo usuário autêntico.

No ano passado, a autora britânica Jendella Benson usou o X (anteriormente Twitter) para expressar sua frustração com a relutância do Instagram em derrubar os impostores que estavam usando suas fotos.

"O Instagram não remove uma conta falsa que está usando minhas fotos", diz Benson.

"Ou eles estão tentando me forçar a comprar um selo azul na esperança de que isso dará mais proteção, ou estão inflando seus números ao não agir contra spam ou contas falsas.

Provavelmente ambos. Palhaços."

No início de 2023, logo após a X introduzir um programa de verificação pago, oferecendo os tão cobiçados selos azuis mediante uma taxa mensal, Meta seguiu com seu serviço 'Meta Verified' custando entre $11.99 e $14.99.

A cobrança mensal permite que criadores e negócios tenham suas contas do Facebook e Instagram verificadas e exibam um selo azul em seus perfis.

O serviço também afirma proporcionar "proteção de conta proativa" contra a personificação.

Isso ainda levanta a questão, a indisposição de um criador em se inscrever para um serviço pago deve resultar em ser vítima de personificação?

"É chato quando o Instagram não remove contas catfish de mim", escreveu outro usuário no X.

E histórias semelhantes não são incomuns:

Irônico, pagar a taxa mensal e passar pelo processo de verificação, mostrando uma identidade válida, não garante que sua conta não será suspensa mais tarde, caso muitas pessoas suspeitem que você é o impostor.

Também já relatamos sobre assediadores sexuais, golpistas cripto e ladrões de identidade prosperando no Instagram, e meramente denunciar tais contas parece não ser suficiente.

Embora a bola esteja grande parte no campo da Meta neste assunto, existem várias medidas que os usuários podem adotar para se proteger, proteger suas fotos e demais usuários na comunidade.

Considere marcar suas fotos com seu nome real de usuário das redes sociais.

A marca d'água ainda pode ser removida ou cortada por um impostor, mas pode servir como um impedimento.

Para contas privadas, evite aceitar solicitações de seguidores de perfis que parecem suspeitos, são muito 'novos', têm poucas ou nenhuma postagem e seguidores, ou são de outra forma de autenticidade questionável.

Aumentar sua base de seguidores vem com o risco de ser personificado, caso o novo seguidor acabe copiando seu perfil.

Denuncie contas de impostores por meio do aplicativo do Instagram.

Caso isso falhe (como ocorreu neste caso), um usuário sugere outra opção que seria tentar o formulário na web.

Mesmo se você for bloqueado pelo seu impostor, ainda pode ser possível denunciar a conta do impostor navegando até o perfil dele no modo Incógnito do seu navegador da web (ou simplesmente após você ter saído da sua conta do Instagram).

Você ainda detém os direitos autorais de sua propriedade intelectual - suas fotos, reels e postagens.

Em alguns casos, caso os canais regulares de denúncia não deem resultados, pode valer a pena entrar em contato com a equipe jurídica do Instagram para relatar um caso de violação de direitos autorais.

Um pouco de googling e pesquisas de imagens reversas usando serviços como Google Lens, TinEye e PimEyes podem contribuir muito para pegar os impostores cedo.

Refrão de compartilhar suas fotos privadas e detalhes a menos e até que você esteja certo de que a pessoa com quem você está se comunicando do outro lado é quem eles afirmam ser.

Seguir esses passos ajudará a dissuadir os impostores e manter as redes sociais seguras para você e todos os demais.

Publicidade

Hardware Hacking

Aprenda a criar dispositivos incríveis com o especialista Júlio Della Flora. Tenha acesso a aulas prática que te ensinarão o que há de mais moderno em gadgets de hacking e pentest. Se prepare para o mercado de pentest físico e de sistemas embarcados através da certificação SYH2. Saiba mais...