A Meta derruba milhares de contas envolvidas em operações de desinformação da China e Rússia
5 de Setembro de 2023

A Meta divulgou que interrompeu duas das maiores operações conhecidas de influência secreta do mundo vindas da China e da Rússia, bloqueando milhares de contas e páginas em sua plataforma.

"Ele visou mais de 50 aplicativos, incluindo Facebook, Instagram, X (anteriormente Twitter), YouTube, TikTok, Reddit, Pinterest, Medium, Blogspot, LiveJournal, VKontakte, Vimeo e dezenas de plataformas e fóruns menores", disse Guy Rosen, chefe de segurança da informação da Meta, na semana passada, descrevendo o grupo chinês de desinformação.

A rede, que incluía 7.704 contas do Facebook, 954 páginas, 15 grupos e 15 contas do Instagram, é dita como sendo operada por "operadores geograficamente dispersos" na China, postando conteúdo sobre a China e sua província Xinjiang, críticas aos EUA, a políticas externas ocidentais e a críticos do governo chinês.

No centro da atividade está o compartilhamento de links spam, cujas origens remontam a um agrupamento chamado Spamouflage (aka DRAGONBRIDGE) que está ativo desde o segundo semestre de 2018, com a Meta descobrindo ligações para indivíduos associados à aplicação da lei chinesa em conexão com a operação.

"Muitos dos comentários nas postagens do Spamouflage que observamos vieram de outras contas do Spamouflage tentando parecer mais populares do que realmente eram", disse a Meta.

"Apenas alguns casos foram relatados quando o conteúdo do Spamouflage no Twitter e no YouTube foi amplificado por influenciadores do mundo real."

Apesar da escala e do alcance impressionantes, os esforços do Spamouflage parecem ter caído por terra, já que a empresa observou que não encontrou nenhuma evidência de que a rede tenha obtido qualquer engajamento substantivo entre comunidades autênticas em seus serviços.

Em resposta às descobertas, a China disse que "algumas pessoas e instituições lançaram uma 'campanha de rumores' após outra contra a China nas plataformas de mídia social e espalharam uma quantidade enorme de desinformação sobre a China".

Também pediu à Meta para "dar passos concretos para erradicar a desinformação sobre a China".

A gigante das redes sociais disse que também bloqueou milhares de domínios de sites maliciosos, bem como tentativas de criar contas e páginas falsas em suas plataformas ligadas à operação russa conhecida como Doppelganger, que foi atribuída a duas empresas chamadas Structura National Technologies e Social Design Agency.

"Esta operação foi centrada em imitar sites de notícias mainstream e entidades governamentais para postar artigos falsos com o objetivo de enfraquecer o apoio à Ucrânia", disse Rosen.

"Agora, ela expandiu além de inicialmente visar França, Alemanha e Ucrânia para incluir também os EUA e Israel."

O uso de técnicas de typosquatting em nomes de domínio para se passar por sites de notícias legítimos é um "bom exemplo de como os maus atores usam domínios maliciosos para se protegerem de ações de aplicação da lei", disse a empresa.

A Meta caracterizou Doppelganger como a "maior e mais persistentemente agressiva operação de origem russa" que desmantelou desde 2017, acrescentando que também removeu redes de contas que visavam o público na Turquia.

O desenvolvimento surge na sequência de uma nova pesquisa que descobriu que modelos de AI gerativos podem ser utilizados para produzir e disseminar desinformação, descobrindo um botnet apelidado de Fox8 no X (anteriormente Twitter) que foi projetado para promover conteúdo relacionado a blockchain e enganar vítimas a investir em criptomoedas falsas.

Publicidade

Já viu o Cyberpunk Guide?

Imagine voltar ao tempo dos e-zines e poder desfrutar de uma boa revista contendo as últimas novidades, mas na pegada hacking old school.
Acesse gratuitamente o Cyberpunk Guide e fique por dentro dos mais modernos dispositivos usados pelos hackers. Saiba mais...