NetDevOps? O DevOps em Redes

NetDevOps

O mundo ágil está cada vez mais presente no dia a dia das TIs pelo mundo afora.  Os enormes benefícios e melhorias trazidos pelas práticas ágeis na automação e desenvolvimento de software são inegáveis e (há um bom tempo) são uma realidade marcante. Era óbvio que a prática ágil e as melhorias que ela traz, uma hora chegariam para movimentar a nossa engessada, imensa e tumultuada Infraestrutura de TI.

Gosto da definição que diz que Infra de TI é o alicerce, a base da disponibilização do negócio. Sem ela, não existem serviços compartilhados, sistemas de informação, múltiplas aplicações, enfim… não existe negócio. O conceito de IaC (Infra como código ou Infrastructure as a Code) chegou para alterar e reinventar a forma como fazemos e gerimos a nossa infraestrutura. A IaC pode gerenciar e provisionar automaticamente praticamente toda a Infra por meio de código, por isso é algumas vezes referida como infraestrutura programável.

Em um domínio mais especifico do genérico da IaC, temos o NaC (Networking as a Code – Rede como Código), que é a aplicação da infra em conceito de código a todo o domínio de Redes, sejam eles redes campus, WANs e, até mesmo, ambientes de nuvem. O sucesso da implantação da Rede como código faz parte da adoção de um conceito ainda mais profundo: o NetDevOps.

O NetDevOps traz consigo toda uma carga de mudanças culturais e comportamentais, desafia tabus e “boas práticas”, tira da zona de conforto tudo o que se prática em relação a construção e gestão de configurações de rede.

O termo NetDevOps é relativamente novo (ainda quando estamos do tradicional mundo das Redes), no entanto, não tarda para que o vejamos se popularizando muito em breve – assim como ocorreu com o DevOps.

Atualmente, a discussão sobre o NetDevOps tem se concentrado em torno da simples automação da rede, uma aplicação um tanto limitada e pobre da “Infra como Código” dentro da rede. O NetDevOps vai muito além.

É um termo que abrange mais do que a automação, na medida em que pede que as práticas do NetDevOps também sejam aplicadas ao processo de automação. A IaC deve garantir que os scripts de automação estejam livres de erros, que podem ser redistribuídos em vários servidores, revertidos e acessíveis a todas as equipes. Assumir e levantar a bandeira do NetDevOps significa diminuir a intervenção manual e minimizar erros.

Adotar esta abordagem dentro do ambiente corporativo de redes é estar preparado para enxergar as mudanças no ambiente como esperadas, rotineiras e fomentadas. Adoção esta, que contrasta totalmente com a cultura adotada em várias empresas que fogem, postergam e limitam a mudança no ambiente por medo ou simplesmente porque “time que está ganhando não se mexe”.

O NetDevOps desconstrói este temor e deve ser conduzido pelos princípios DevOps de automação, teste e verificação. Tem de ser padrão, ter uma abordagem de “Desenvolvimento Contínuo” para as mudanças de rede. As mudanças de rede propostas são captadas por servidores de compilação que gerenciam a progressão de “Desenvolvimento” para “Teste” e “Produção”.

Em resumo, o NetDevOps veio para tornar a gestão/provisão de equipamentos de rede em escala tão eficiente quanto vêm funcionando para servidores usando ferramentas de gerenciamento automatizadas. Irá ainda, forçar dissolução das panelinhas de equipes técnicas que suportam a TI, sejam elas de redes, aplicações, dev, endpoint…evitando que elas só se conversem se tiverem um octógono à disposição para resolverem suas diferenças.

A rede já não é simplesmente sinônimo apenas de conectividade; agora ela é escala, segurança e desempenho. O NetDevOps traz uma mentalidade do DevOps para o espaço de rede. Com mais empresas adotando uma cultura DevOps, irá haver (logo) a mesma cultura e movimento aplicado à rede.  A gestão de um ambiente tão crítico para o negócio não pode ficar preso à praticas dos anos 80. Os tempos mudaram, as necessidades mudaram. O engessado mundo da gestão de Redes já começa a enxergar que a mudança é inevitável; seja ela motivada para suportar as necessidades do negócio, seja por estar sendo atropelada por elas.